Rubens de Azevedo

2021

CENTENÁRIO          |          ARTIGOS          |          BIBLIOGRAFIA

Nascido em 30 de Outubro de 1921 na cidade de Fortaleza, o astrônomo cearense Rubens de Azevedo é autor entre outros dos seguintes livros: Selene*, a lua ao alcance de todos; Lua degrau para o infinito; No mundo da Estelândia; Na era da Astronáutica; Lenda feita de pedra; O cometa de Halley e a Bandeira Nacional.

O professor Rubens de Azevedo morreu no dia 17 de janeiro de 2008, aos 86 anos. 
*Selene, do Grego, Lua.
Rubens de Azevedo.webp
“Olhar veterano nos livros e nas lunetas indagadoras, Rubens de Azevedo pode deter o sol de suas tarefas de ensino para cumprir mais esta, nobre e linda, transmitindo a humanização astral, lembrança erudita da Idade de Ouro, quando as estrelas viviam na Terra, entre os homens, amando e sofrendo com eles” 
(Luís da Câmara Cascudo)
“Olhar veterano nos livros e nas lunetas indagadoras, Rubens de Azevedo pode deter o sol de suas tarefas de ensino para cumprir mais esta, nobre e linda, transmitindo a humanização astral, lembrança erudita da Idade de Ouro, quando as estrelas viviam na Terra, entre os homens, amando e sofrendo com eles” 

(Luís da Câmara Cascudo)
Foi pioneiro ao criar, em 1947, a primeira Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia (SBAA), e, em 1948 fundar o primeiro observatório popular Brasileiro, o Observatório Popular Flammarion e também, a Sociedade Brasileira de Selenografia, em São Paulo. 

No mesmo ano, desenhou o Primeiro Mapa Lunar Brasileiro, com 80 cm, que se encontra exposto no Museu Nacional de Astronomia.

Durante um eclipse lunar, descobriu um vale lunar, cuja existência foi confirmada por observatórios chilenos, os quais à época, sugeriram à União Astronômica Nacional a atribuição do nome "Vale Azevedo".
 

Descobriu também um fenômeno Lunar Transitório na Cratera Aristarco, confirmado pelo astronauta Edwin Aldrin quando em órbita lunar.
 

Foi professor de Selenografia na Escola Municipal de Astrofísica em São Paulo, professor assistente de Astronomia e Astronáutica da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba e professor de Geografia Astronômica na Universidade Estadual do Ceará. 
 

Fundou o Observatório Astronômico da Paraíba e participou durante seis anos como membro ativo do Lunar International Observers Network, criado pela Nasa para assessorar as missões Apolo.
 

Foi responsável pela instalação de associações e clubes de Astronomia e de observatórios e planetários no Brasil.
 
Foi pioneiro na luta pela implantação de um planetário no Ceará.

Desenvolveu estudos sobre astronomia e particularmente sobre a Lua, sendo uma das mais respeitadas autoridades astronômicas mundiais.
Foi pioneiro ao criar, em 1947, a primeira Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia (SBAA), e, em 1948 fundar o primeiro observatório popular Brasileiro, o Observatório Popular Flammarion e também, a Sociedade Brasileira de Selenografia, em São Paulo. 


No mesmo ano, desenhou o Primeiro Mapa Lunar Brasileiro, com 80 cm, que se encontra exposto no Museu Nacional de Astronomia.


Durante um eclipse lunar, descobriu um vale lunar, cuja existência foi confirmada por observatórios chilenos, os quais à época, sugeriram à União Astronômica Nacional a atribuição do nome "Vale Azevedo".
 

Descobriu também um fenômeno Lunar Transitório na Cratera Aristarco, confirmado pelo astronauta Edwin Aldrin quando em órbita lunar.
 

Foi professor de Selenografia na Escola Municipal de Astrofísica em São Paulo, professor assistente de Astronomia e Astronáutica da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba e professor de Geografia Astronômica na Universidade Estadual do Ceará. 
 

Fundou o Observatório Astronômico da Paraíba e participou durante seis anos como membro ativo do Lunar International Observers Network, criado pela Nasa para assessorar as missões Apolo.
 

Foi responsável pela instalação de associações e clubes de Astronomia e de observatórios e planetários no Brasil.
 

Foi pioneiro na luta pela implantação de um planetário no Ceará.


Desenvolveu estudos sobre astronomia e particularmente sobre a Lua, sendo uma das mais respeitadas autoridades astronômicas mundiais.